Olhar Jurídico

Segunda-feira, 30 de março de 2020

Notícias / Criminal

Cabo acusa Gaeco de fraudar relatórios de interceptações contra ex-primeira-dama; veja vídeo

Da Redação - Arthur Santos da Silva

24 Fev 2020 - 14:10

Foto: Reprodução

Cabo acusa Gaeco de fraudar relatórios de interceptações contra ex-primeira-dama;  veja vídeo
Ao seguir ordem do promotor de Justiça Arnaldo Justino durante a Operação Arqueiro, o cabo Gerson Correa Junior retirou o nome da ex-primeira-dama de Mato Grosso, Roseli Barbosa, de relatórios de interceptações telefônicas do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

Leia também 
Veja vídeo em que cabo revela vazamentos seletivos e grampos no Gaeco

 
Segundo Gerson, que foi membro do Gaeco, o objetivo era evitar que o processo fosse enviado ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). “Era fato notório que os membros do Ministérios Público estavam evitando a declinação de competência para o Tribunal de Justiça”, afirmou em depoimento.

De forma tardia, somente na segunda fase da operação Arqueiro, que ganhou denominação de Ouro de Tolo, houve a citação de Roseli.
 
“Em alguns relatórios eu retirei o nome da Roseli para não demonstrar que ela figurava como alvo da interceptação”, afirmou Gerson Barbosa em depoimento na Sétima Vara Criminal de Cuiabá.
 
Processo nascido das Operações Arqueiro e Ouro de Tolo investigaram a ex-primeira-dama por desvios de aproximadamente R$ 8 milhões na Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social de Mato Grosso (Setas), até o ano de 2014.
 
A ação contra Roseli Barbosa ainda está em fase de instrução. Gerson foi ouvido como testemunha após figurar como réu em outro processo, na Justiça Militar, local em que confessou participação em uma organização especializada em interceptações ilegais.

Grampolândia
 
A ação penal na Justiça Militar proveniente da Grampolândia pantaneira que julgava o cabo Gerson já foi sentenciada. Apenas um dos cinco militares acusados de operacionalização de um esquema de grampos clandestinos em Mato Grosso foi condenado. O coronel Zaqueu Barbosa cumprirá pena de 8 anos.
 
Gerson Correia recebeu perdão judicial pela colaboração unilateral durante o processo.

 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Lmarcio
    25 Fev 2020 às 11:44

    Se o MP faz isso imagina PC, pm kkkk estamos lascados mesmo.

  • wagner
    25 Fev 2020 às 07:16

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • ZE NINGUÉM
    25 Fev 2020 às 07:13

    MAIS UM QUE DE INICIO FAZ OS CRIMES JUNTO COM OUTROS, VIRA DELATOR E TRANSFORMA-SE EM HEROI. E SEGUE A "JUSTICA". ENTENDAM COMO BEM QUISEREM.

Sitevip Internet