Olhar Jurídico

Quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Notícias / Civil

Justiça afasta mais um PM acusado de atirar em cabeça de mulher

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Fev 2020 - 14:08

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Justiça afasta mais um PM acusado de atirar em cabeça de mulher
O juiz Valter Fabrício Simioni da Silva, da 4ª Vara Cível de Sorriso, determinou o afastamento liminar de Weberth Batista Ribeiro e Ezio Sousa Dias, policiais militares acusados pela tentativa de homicídio contra Elizângela Moraes. A decisão é desta terça-feira (11).

Leia também 
Justiça não encontra dinheiro de Galli, condenado em R$ 123 mil por manifestações homofóbicas


Conforme informado pelo Olhar Jurídico na segunda-feira (10), Weberth Batista já estava afastado por decisão em um processo que apura extorsão. A decisão desta terça-feira inova ao afastar Ezio Sousa.

Segundo decisão, foi verificada a "potencial possibilidade dos réus continuarem a praticar condutas ímprobas e antijurídicas na condição de agentes da administração pública".

"Acrescenta-se ainda o fato de os réus serem conhecidos pela fama de pessoas agressivas/truculentas, podendo se utilizar do prestígio e confiança da própria função como Policiais Militares para garantir qualquer proveito de cunho processual no âmbito desta demanda e/ou de outra na esfera administrativa ou penal", afirma decisão de afastamento.
 
Consta na denúncia criminal, que na data dos fatos, a PM local recebeu diversas ligações anônimas relatando que os denunciados estariam no estabelecimento comercial denominado “Bar do Careca”, agredindo pessoas e efetivando disparos de arma de fogo.
 
De acordo com relatos dos policiais ouvidos durante o inquérito, as denúncias anônimas afirmavam também que os dois haviam atirado contra uma mulher.

“As imagens do circuito interno de segurança obtidas pela Polícia Civil indicam que os increpados se aproximaram das vítimas, que estavam sentadas, bem como encostadas numa parede, literalmente encurraladas, dificultando suas defesas, quando desfecharam o primeiro disparo de arma de fogo em direção a elas, simplesmente por que estavam em seu caminho”, diz um trecho da denúncia do MPE.

Após efetuarem o primeiro disparo, conforme o MPE, os denunciados passaram a agredir fisicamente as vítimas com tapas e socos. Segundos depois, o policial Ezio Souza Dias retorna empunhando a arma de fogo e mirando em direção às vítimas, enquanto o outro dá sequência à sessão de tapas e soco, quando é possível perceber a ocorrência de mais um disparo contra o casal.

De acordo com os laudos anexados ao processo, o tiro atingiu a face da vítima, causando ferimentos gravíssimos.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet