Olhar Jurídico

Quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Notícias / Civil

Justiça remarca conciliação entre MT e empresa de delator acusada de superfaturar salas móveis

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Fev 2020 - 11:22

Foto: Marcus Mesquita/ MidiaNews

Justiça remarca conciliação entre MT e empresa de delator acusada de superfaturar salas móveis
A juíza Celia Regina Vidotti, da Vara especializada em Ação Cível Pública de Cuiabá, remarcou para o dia cinco de março uma audiência de conciliação entre o Estado de Mato Grosso e a empresa Relumat, propriedade do delator premiado Ricardo Sguarezi.

Leia também 
MP apura denúncia de ocupação ilícita de APP no Lago do Manso por pousada


Decisão foi publicada no Diário de Justiça desta terça-feira (11).  O objetivo é tentar conciliação em ação sobre superfaturamento no aluguel de salas móveis objeto de quatro contratos firmados entre os anos de 2011 e 2014.

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) firmou pactos com a empresa requerida, mediante dispensa de licitação, para locação de salas de aula móveis, visando atender à necessidade emergencial decorrente de reformas de algumas escolas e aumento da demanda de outras unidades que estavam com excesso de alunos. Mais de R$ 11 milhões foram pagos.

Os contratos foram objeto de análise pela Controladoria Geral do Estado, cujo relatório concluiu pela ausência de justificativa em relação a real necessidade da locação de sala de aulas móveis e a existência de sobrepreço, que em comparação com a média de preço para imóveis de padrão assemelhado ao da estrutura das salas móveis, chega a mais de 300%.

Ciente das informações, Celia Vidotti deferiu em março de 2017 pedido liminar para determinar suspensão de pagamentos, proibindo também a retirada das salas dos locais até que houvesse substituição sem afetar o calendário de ensino. Ocorre que desde então as salas estão ocupadas, segundo informações do processo.

A conciliação servirá para delimitar se ainda existe a necessidade de reembolso do que inicialmente foi superfaturado. O reexame é necessário visto que a Seduc seguiu ocupando as salas mesmo após a suspensão dos pagamentos.
 
“Não há dúvida que o requerente utilizou e continua a utilizar os bens da empresa requerida, que deve ser justamente remunerada, sob pena de enriquecimento ilícito”, afirmou a juíza.

A Relumat

A  Relumat Construção Ltda é propriedade do delator premiado Ricardo Sguarezi. O colaborador confessou crimes na Secretária de Educação de Mato Grosso no caso que ficou conhecido como Operação Rêmora. Segundo o delator, houve pagamento de propina no aluguel de salas e também em obras de reformas em escolas.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet