Olhar Jurídico

Sábado, 08 de agosto de 2020

Notícias / Geral

PGR defende decisão que limitou pagamento de verba indenizatória de vereadores e exigiu prestação de contas

Da Redação - Vinicius Mendes

10 Dez 2019 - 08:20

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

PGR defende decisão que limitou pagamento de verba indenizatória de vereadores e exigiu prestação de contas
Em parecer encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), o subprocurador-geral da República Paulo Gonet Branco, atuando por delegação em nome do procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu a manutenção de um acórdão que limitou o pagamento e determina a prestação de contas de verbas indenizatórias repassadas aos vereadores da Câmara Municipal de Cuiabá. O caso está sob a relatoria do ministro Edson Fachin.
 
Leia mais:
Supremo nega pedido para aumentar verba indenizatória da Câmara de Cuiabá
 
A decisão questionada é do Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso (TJMT) que, após apreciar pedido em ação civil pública do Ministério Público do Estado, manteve sentença de primeiro grau, limitando as verbas indenizatórias pagas aos vereadores a 60% do subsídio fixado para cada legislatura. O acórdão determinou ainda a prévia comprovação dos gastos, por meio de relatório e documentos fiscais.
 
Inconformada, a Câmara Municipal apresentou recurso extraordinário ao Supremo alegando que, ao afastar a Lei municipal 5.643/2013 e reduzir o valor da verba indenizatória, o acórdão declarou implicitamente a inconstitucionalidade da lei, sem observar a cláusula da reserva de plenário. Disse ainda ser indevida a interferência do Poder Judiciário em matéria interna corporis do Poder Legislativo.
 
Em seu parecer, o subprocurador-geral aponta ocorrência de inovação recursal pela Câmara Municipal por ausência de prequestionamento em relação ao princípio da reserva de lei em matéria financeira. Além disso, prossegue Paulo Gonet, a agravante não questionou os fundamentos do acórdão de que a determinação de prestação de contas está em consonância com a jurisprudência do STF.
 
“De todo modo, nota-se que o Tribunal de origem não foi provocado, sequer na via dos embargos de declaração, para analisar eventual descumprimento da cláusula da reserva de plenário. O acórdão de origem tampouco analisou a alegação de julgamento extra petita sob a ótica dos princípios do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa, que também não foram objeto dos embargos de declaração”, conclui, ao se manifestar pelo desprovimento do agravo interno.
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Claudio Coelho Barreto Junior
    10 Dez 2019 às 09:19

    VERBA INDENIZATÓRIA PARA POLITICO É UMA VERGONHA, UMA CANALHICE ESCANCARADA. VOU ALEM, É UM ROUBO LEGALIZADO PELOS PRÓPRIOS LADRÕES. CHEGA, BASTA, DE TANTO DINHEIRO, PAGO A QUEM BADA FAZ, NÃO CUMPREM SEQUER 30 H. SEMANAIS DE TRABALHO.

Sitevip Internet