Olhar Jurídico

Terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Delator e empresa pagaram R$ 1,8 milhão de empréstimos que possuíam garantia da Sinfra

Da Redação - Arthur Santos da Silva

29 Nov 2019 - 10:44

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Junior Mendonça

Junior Mendonça

Parte dos R$ 4,3 milhões contraídos em empréstimos supostamente ilegais pela Consnop Construções no Bic Banco foram pagos por terceiros sem relações diretas com a empresa. Entre os contribuintes estão o delator premiado Junior Mendonça e a pessoa jurídica Ortolan Assessoria e Negócios. As transações, conforme o Ministério Público Federal (MPF), comprovam crime de lavagem de dinheiro. Informações constam em nova denúncia proveniente da Operação Ararath, contra 14 pessoas.

Leia também 
Empresário revela supostos empréstimos fraudulentos que beneficiaram Dilceu Dal Bosco e Juarez Costa


Junior Mendonça e a Ortolam pagaram R$ 1,8 milhão de uma dívida que possuía a Secretaria de Infraestrutura como garantidora. A lavagem foi cometida, segundo o MPF, pelo ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Eder Moraes, os empresários Ulisses Viganó e Denise Viganó, donos da empreiteira Consnop, e Luiz Carlos Cuzziol, ex-superintendente do banco.
 
“Foi constatada a transferência de R$ 1.800.000,00 por parte dessas pessoas jurídicas na Conta Penhor aberta pelo BIC BANCO para os fins da trava de domicílio bancário, a qual foi criada exclusivamente para o pagamento dos valores dados em garantia pela Secretaria de Infraestrutura do Estado de Mato Grosso”, afirma o Ministério Público.
 
A Ortolan pagou montante estabelecido em R$ 800 mil. Já a Comercial Amazônia Petróleo, rede de postos de combustíveis propriedade de Junior Mendonça, pagou montante exato de R$ 1 milhão.
 
“Isso aconteceu porque o denunciado Eder tinha domínio sobre todas as pactuações de crédito formalizadas com o Bic Banco, no interesse de seu Grupo Político, inclusive aquelas relativas a empresa Consnop, e assim determinou que outros participantes do esquema pagassem esses valores para quitar parcialmente a dívida contraída em benefício da organização”, complementou o órgão ministerial.
 
Além do crime de lavagem, o MPF também processa os envolvidos por gestão fraudulenta de instituição financeira.
 
O caso
 

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia por crime de gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro em face de membros da cúpula do Bic Banco em Cuiabá.
 
A ação, desdobramento da operação Ararath, envolve ainda o ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Eder Moraes, e os empresários Ulisses Viganó e Denise Viganó, donos da empreiteira Consnop Construções.
 
Processo é baseado na delação premiada do ex-superintendente da instituição financeira, Luiz Carlos Cuzziol. Conforme os autos, a Consnop Construções contraiu empréstimos que totalizam R$ 4,3 milhões. Ocorre que as transações foram simuladas para beneficiar o grupo político do qual o ex-secretário de Fazenda Eder Moraes fazia parte.

Foram denunciados Ulisses Viganó e Denise Viganó, administradores da Consnop. Ambos por gestão fraudulenta e lavagem de capitais. Antônio Eduardo de Carvalho Freitas, Luiz Carlos Cuzziol e Fabrício Figueiredo Acosta, superintendentes do Bic Banco, foram denunciados por praticar crime de gestão fraudulenta.

Elisa Shigeko Kamikihara Kochi, e Hermes Rodrigues Pimenta, ex-gerentes do BIC Banco (gestão fraudulenta); Khalil Kfouri, Carolina Kassia Cocozza Fonseca Yamanaka e Sérgio Marubayashi, membros do comitê Superior de Crédito (gestão fraudulenta); José Bezerra Menezes, presidente do banco (gestão fraudulenta).
 
Do Poder Executivo, foram denunciados: Paulo da Silva Costa, ex-superintendente administrativo e financeiro da secretaria de Estado e Infra Estrutura de Mato Grosso (gestão fraudulenta); Éder de Moraes Dias, ex-secretário de Fazenda do Estado de Mato Grosso (gestão fraudulenta e lavagem de capitais); Ezequiel de Jesus de Oliveira Lara, ex-secretário adjunto de Gestão Sistêmica da Secretaria de Estado e Infra Estrutura de Mato Grosso (gestão fraudulenta).
 
A denúncia foi oferecida no dia 20 de agosto pela procuradora Vanessa Cristhina Marconi Zago Ribeiro Scarmagnani. Há pedido de quebra de sigilo bancário em desfavor da pessoa jurídica Consnop. O delator premiado Junior Mendonça foi indicado como possível testemunha de acusação.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet