Olhar Jurídico

Sábado, 25 de janeiro de 2020

Notícias / Civil

Juiz marca audiência em processo contra Mendes que julga simulação para compra de apartamento de luxo

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Nov 2019 - 09:06

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz marca audiência em processo contra Mendes que julga simulação para compra de apartamento de luxo
A Justiça Federal designou para o dia 27 de novembro audiência em processo contra o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito em decorrência de simulação de empréstimo para a aquisição de um apartamento de luxo em Cuiabá, penhorado em leilão judicial.
 
Leia também 
Homem que matou e escondeu corpo de companheira é condenado a 31 anos de prisão


Além de marcar a audiência, houve designação de prazo estabelecido em 10 dias para indicação de testemunhas de defesa.
 
Além de Mauro Mendes, também é parte no processo a juíza federal da justiça trabalhista aposentada compulsoriamente por decisão unânime em processo administrativo disciplinar, Carla Reita Faria Leal.
 
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a ação é resultado de inquérito instaurado em 2013 para apurar a aquisição, em 2011, de um apartamento de luxo por parte da então juíza do Trabalho da 8ª Vara do Trabalho de Cuiabá, Carla Reita Faria Leal.
 
O imóvel havia sido inicialmente adquirido por Mauro Mendes em 2 de dezembro de 2009, em leilão público promovido pelo Tribunal Regional do Trabalho ao qual a juíza era vinculada. Passado mais de um ano, o apartamento foi repassado para Carla Reita.
 
Segundo o MPF, como juíza do Trabalho, Carla Reita não poderia comprar imóvel que tivesse sido objeto de leilão público promovido por órgão do tribunal a que pertence ou está vinculada.
 
Para fugir da vedação legal imposta aos magistrados, a juíza trabalhista e Mauro Mendes realizaram uma simulação de dação em pagamento - que seria uma das exceções legais à aquisição do imóvel pela magistrada - como forma de pagamento de um suposto empréstimo que ambas as partes alegam ter existido no ano de 2009.
 
O processo em face do governador corre na Oitava Vara Federal de Mato Grosso, sob responsabilidade do juiz Raphael Casella de Almeida Carvalho.

Outro lado

A reportagem não conseguiu contato com o advogado Leonardo Cruz, que defende Mauro Mendes.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Adilson
    23 Nov 2019 às 10:35

    A improbidade está cristalina, mas a pergunta é: o que irá acontecer com o governador, mesmo que tal ato tenha sido praticado antes de ter sido empossado?

  • joaoderondonopolis
    11 Nov 2019 às 16:17

    O que? Não entendi! Será verdade? PQP.

  • Valma
    11 Nov 2019 às 13:42

    Exemplo de honestidade

  • Paolo
    11 Nov 2019 às 12:11

    Levanta a mão quem tem certeza que não vai dar em nada...EEEEUUUUU.

  • jose a silva
    11 Nov 2019 às 10:20

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Ares
    11 Nov 2019 às 09:42

    Sera que o lula não vai fugir do país? Ainda tem vários processos na justiça contra ele

Sitevip Internet