Olhar Jurídico

Segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Riva afirma que Maggi autorizou negociação com construtora que gerou dano de R$ 182 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

09 Out 2019 - 09:01

Foto: Reprodução

Riva afirma que Maggi autorizou negociação com construtora que gerou dano de R$ 182 milhões
Proposta de delação premiada atribuída ao ex-deputado estadual José Riva afirma que a aquisição de precatório devido à Construtora Andrade Gutierrez em negociação supostamente encabeçada pelo empresário Valdir Piran serviu para pagamento de dívidas e saldo de propina. O então governador, Blairo Maggi, autorizou as tratativas. 
 
Leia também 
Acusação aponta pagamento de R$ 1,1 milhão em propina a desembargador aposentado


“O colaborador tem conhecimento de vultosa fraude perpetrada para adimplir dívida do Executivo e Legislativo com o Sr. Valdir Piran que, naquela ocasião, já se aproximava dos R$27.000.000,00”, diz trecho do documento obtido pelo Olhar Direto.

Os detalhes constam em documento que teria sido encaminhado à procuradora de Justiça Ana Cristina Bardusco, chefe do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), no dia 27 de março.
 
Segundo informado, o então governador, Blairo Maggi, delegou a Silval Barbosa e Eder Moraes a busca de um entendimento com Valdir Piran, pois estava preocupado com a governabilidade do Estado.
 
Eder então sugeriu a Blairo a aquisição por parte de Valdir Piran de um precatório da Construtora Andrade Gutierrez, cujo valor a receber do Estado era de aproximadamente R$ 300 milhões.
 
As informações reveladas no documento convergem com ação com pedido de ressarcimento estimado em R$ 182 milhões movida em 2019 pelo Ministério Público (MPE) contra Blairo Maggi, Eder Moraes, Piran, mais cinco pessoas e duas empresas.

São acionados ainda o procurador aposentado Francisco Gomes Andrade Lima Filho (o Chico Lima), o procurador João Virgilho do Nascimento Sobrinho, o também ex-secretário de Fazenda Edmilson Jose dos Santos, o ex-presidente da Andrade Gutierrez, Rogério Nora, o vice-presidente jurídico da empreiteira, Luiz Otávio Mourão, a própria Andrade Gutierrez e a empresa Piran Participações.

O valor seria proveniente de créditos que o governo de Mato Grosso devia à construtora. Porém, a Andrade Gutierrez e a empresa Piran Participações e Investimentos celebraram contrato de cessão de direitos creditórios.

O pagamento se deu de forma ilegal, violando os preceitos constitucionais relativos ao regime de precatórios, bem como princípios da Administração Pública, tais como moralidade, publicidade, impessoalidade e economicidade. Apurou-se que a transação gerou prejuízo de R$ 182 milhões.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • JOSE NILDO
    09 Out 2019 às 16:47

    KKKKK CONTRA BLAIRO NADA ANDA , TUDO E PARALISADO O INTOCÁVEL DE MT

  • CATARINE MARIA FIN CAJANGO
    09 Out 2019 às 12:09

    BLAIRO MAQUINAS VAI TER QUE EXPLICAR MUITA COISA A JUSTIÇA.KKKK

  • Rocha
    09 Out 2019 às 12:01

    Esse AFIRMA não me deu segurança se isso procede !!! entenderam ??? Sei não hein Riva

  • José Brandão
    09 Out 2019 às 11:29

    Essa empresa tinha um árduo defensor no governo ocupando o seu primeiro escalão: um secretário.

  • Do Interior
    09 Out 2019 às 10:37

    Isso é o que esta sendo revelado, provavelmente o rombo é bem maior....triste ver a atual gestão ameaçando extinguir orgãos do governo de suma importância para a sociedade devido a crise gerada não pelos servidores mas sim pelos gestores que aparentemente são dominadas pela ganância.

Sitevip Internet