Olhar Jurídico

Segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Notícias / Civil

Desembargador revoga liminar e contratos emergenciais do transporte intermunicipal podem ser assinados

Da Redação - Fabiana Mendes

31 Ago 2019 - 15:50

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Desembargador revoga liminar e contratos emergenciais do transporte intermunicipal podem ser assinados
O desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Márcio Vidal, revogou a liminar concedida à empresa Verde Transportes que barrava a continuidade da licitação emergencial lançada do Sistema de Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros de Mato Grosso. Agora, novos contratos emergenciais podem ser celebrados sem impedimentos e as empresas ficam impedidas de explorar "precariamente" rotas interestaduais.

Leia mais:
Tarifa do transporte intermunicipal de Mato Grosso sofre aumento de quase 13%

A decisão atendeu a recurso do Ministério Público Estadual, que apresentou manifestação contrária à suspensão dos trâmites do certame conduzido pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra).

Em sua contestação, a Verde Transporte alegou que o chamamento emergencial não regulamentava o setor e apenas substituía uma "outorga precária" por outra, sem licitação. A empresa chegou a obter, em julho, decisão parcialmente favorável que suspendia a contratação emergencial até a realização da conciliação.

Porém, o MPE e o Estado recorreram da decisão e conseguiram comprovar que a prorrogação dos serviços realizado de forma precária por empresas sem contrato é prejudicial para os usuários e para o Estado.

"Ressalto que a prorrogação da prestação de serviços de forma precária, até que seja feita uma licitação definitiva, não se justifica, visto que o suposto direito econômico das empresas não pode se sobrepor ao preceito constitucional que obriga a licitar e visa garantir e resguardar o interesse público da contratação precedida de licitação", alegou o magistrado em seu parecer.

Segundo o presidente da Comissão Especial de Licitação e superintendente de Concessões da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), Jossy Soares, a Verde Transporte vem tentando suspender a contratação emergencial desde março.

Na época, Thiago Affonso Diel, coordenador jurídico da Verde Transportes, questionou a legalidade da contratação emergencial de empresas para operação do serviço, pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT). Segundo ele, não existem linhas sem assistência no momento para justificar a contratação emergencial.

Como não obteve êxito e a licitação aconteceu, com a inscrição de 20 empresas, ingressou com uma representação no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) e um mandado de segurança no Tribunal de Justiça, juntando nessa peça a decisão do TCE.

"O desembargador chegou a acatar a decisão, mas deu parecer favorável apenas para Verde. Porém, o Estado conseguiu comprovar que o sistema de operação precário (sem contrato) do transporte por parte das empresas prejudica o usuário, que paga mais, e o Estado, que deixa de recolher tributos devidos", explicou o presidente da Comissão de Licitação.

Diante disso, prossegue Soares, o desembargador revogou a liminar que impedia o prosseguimento da licitação emergencial. "Agora, nosso próximo passo é a assinatura de cinco contratos emergenciais restantes. Realizaremos um chamamento das empresas em sessão marcada para quarta-feira (04.09). Trabalhamos ainda para lançarmos em 30 dias o edital da licitação definitiva", revelou.

O presidente da Comissão de Licitação destaca que o objetivo da contratação emergencial em andamento desde março deste ano é regularizar de forma mais ágil o transporte intermunicipal e barrar a atuação de empresas que operam nos trechos de maneira irregular, bem como preencher os lotes não contratados em licitação realizada em 2012. 

No total, o processo emergencial colocou em concorrência 13 lotes de linhas intermunicipais, divididos em oito mercados, atendendo as regiões de Cuiabá (MIT 1), Rondonópolis (MIT 2), Barra do Garças (MIT 3), São Félix do Araguaia (MIT 4), Cáceres (MIT 5), Tangará da Serra (MIT 6), Alta Floresta (MIT 7) e Sinop (MIT).

O processo em questão originou-se a partir do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) celebrado no fim de 2018 entre o Ministério Público Estadual (MPE), o Governo do Estado, a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Mato Grosso (Ager-MT) e a Procuradoria Geral do Estado (PGE).

(Com assessoria de imprensa)
 
 
 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • André Silva
    02 Set 2019 às 16:50

    Brasileiro querendo ganhar dinheiro mole via indenização. Processam até peido no elevador.

  • Helio Alves Batista
    01 Set 2019 às 17:45

    Parabens ao desembargador, só que pagar R$ 8,00 reais do trevo do atacadao até o distrito da Guia, tá muito caro.

  • Roberto Simião
    31 Ago 2019 às 16:58

    Parabéns ao excelentissimo desembargador pela brilhante e justa decisão. O usuário do Estado o agradece com entusiasmo.

Sitevip Internet