Olhar Jurídico

Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Notícias / Civil

Justiça reconhece que empresa comprou terrenos de Eder por R$ 1,5 milhão e determina desbloqueio

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Ago 2019 - 09:54

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Justiça reconhece que empresa comprou terrenos de Eder por R$ 1,5 milhão e determina desbloqueio
O juiz Bruno D’Oliveira, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, reconheceu recurso da empresa Brasil Central Engenharia Ltda e mandou desbloquear 15 terrenos urbanos retidos em nome do ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Éder Moraes Dias e de sua esposa, Laura Tereza da Costa Dias.
 
Leia também 
TJMT revoga cautelar de recolhimento noturno de empresário e irmão de Taques


A decisão, do dia 13 de agosto, comprovou que a empresa comprou os bens em outubro de 2012 pelo valor estabelecido em R$ 1,5 milhão. Os 15 terrenos estão localizados no município de Nossa Senhora do Livramento.
 
Em parecer, o Ministério Público chegou apresentar contestação, pedindo pela improcedência da demanda. Segundo o órgão ministerial, a condição de proprietário não foi devidamente comprovada . Laura e Eder juntaram aos autos documentos argumentando que a Brasil Central Engenharia adquiriu os imóveis de boa-fé, reconhecendo ser ela (a empresa) a legítima proprietária e possuidora dos bens.
 
Em sua decisão, o magistrado verificou que a ação principal do bloqueio foi distribuída em julho de 2012. Porém, Eder somente foi notificado em julho de 2013. A negociação dos terrenos, ainda segundo documentos do processo, se deu em outubro de 2012.
 
“Diante do exposto, julgo procedentes os presentes Embargos de Terceiro, extinguindo-os com resolução do mérito, nos termos dos artigos 316 e 487, inciso I, do Código de Processo Civil, tornando insubsistente e determinando a desconstituição da constrição lançada nas matrículas nº 36.951, 72.816, 28.709, 28.708, 15.454, 15.455, 14.564, 12.403, 2.771, 2.772, 2.773, 36.950, 1.927, 36.949 e 15.456, todas do 1º Serviço Notarial e de Registro de Imóveis de Várzea Grande”.
 
A ação principal, em que o bloqueio foi determinado, segue em segredo de justiça.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet