Olhar Jurídico

Domingo, 15 de dezembro de 2019

Notícias / Civil

MPE investiga procurador por omissão em desocupação de área no CPA

Da Redação - Arthur Santos da Silva

12 Ago 2019 - 09:20

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPE investiga procurador por omissão em desocupação de área no CPA
O promotor de Justiça Célio Fúrio, membro do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), abriu inquérito para investigar a atuação da Procuradoria Geral do Estado (PGE) em ação que determinou a desocupação de um terreno de 6 mil metros quadrados vinculado ao Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais (Sindes).
 
Leia também 
Por prescrição, juiz extingue punibilidade de prefeito denunciado por falsificação de documentos


“Ainda paira dúvida sobre a atuação da Procuradoria Geral do Estado no feito 2019.02.005002, especialmente se ocorreu iniciativa para desocupação voluntária, se foi ou será proposta ação visando a reintegração de posse e desocupação do imóvel do Estado de Mato Grosso, ocupado indevidamente pelo SINDES, conforme decisão proferida na Ação Civil Pública relacionada aos fatos”, afirmou o promotor na portaria que instaurou investigação.
 
O alvo central é o procurador do Estado e ex-deputado estadual Alexandre Luís César. Ele já foi oficiado sobre o inquérito. “Lembrando-o de que constatado eventual descaso, poderá ser imputado a ele ato de improbidade administrativa”.
 
Conforme o processo que determinou a desocupação da área, as informações apuradas pelo Ministério Público demonstram irregularidades praticadas pelo estado de Mato Grosso, por meio de sua Secretaria de Administração (SAD), a qual permitiu a utilização de terrenos públicos localizados no Centro Político Administrativo em favor de entidades privadas, dentre as quais, a Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais.
 
No curso do processo foi constatado que, desde o ano de 2007 até 2010, o Estado concedeu um total de 56 permissões de uso de bens imóveis públicos a pessoas jurídicas privadas, em especial, a sindicatos, associações e igrejas. 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Walter
    13 Ago 2019 às 09:08

    E pensar que dinheiro suado do nosso povo pobre banca esses ricos salários dos procuradores.

  • NEto
    12 Ago 2019 às 15:50

    Como está o Paletó? Se vivessemos num país sério... estaria PRESO!

Sitevip Internet