Olhar Jurídico

Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Notícias / Criminal

Desembargador analisa se houve uso de barriga de aluguel em operação do Gaeco contra deputado

Da Redação - Vinicius Mendes

22 Jul 2019 - 11:56

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Desembargador analisa se houve uso de barriga de aluguel em operação do Gaeco contra deputado
A defesa do deputado federal Juarez Costa (MDB) entrou com pedido para que seja investigada a denúncia de que grampos ilegais foram utilizados na “Operação Sorrelfa”, que apurou crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa na Prefeitura de Sinop, quando o parlamentar ainda era prefeito.
 
Leia mais:
Gerson acusa Gaeco de orquestrar operação contra ex-prefeito de Sinop, atual deputado federal

De acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), a notícia crime foi encaminhada ao gabinete do desembargador Orlando de Almeida Perri e tramita no Órgão Especial. O magistrado, no entanto, ainda está analisando o pedido e não decidiu se o processo correrá em segredo ou não.
 
O pedido da defesa de Juarez foi feito para que seja investigada a existência de barriga de aluguel no bojo da “Operação Sorrelfa”, que teve como alvo o ex-prefeito. No dia 15 de setembro de 2016, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de Juarez.
 
Na semana passada o cabo PM Gerson Correa disse em seu reinterrogatório que a Operação Sorrelfa foi politicamente orquestrada pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPMT). Mesmo com a operação desencadeada durante o período eleitoral, em 2016, Rosana Martinelli se elegeu prefeita com o apoio de Juarez.
 
“Sobre o modus operandi de identificar terminais telefônicos que foram objeto de investigação, quero dizer que este modo de atuar se arrasta há muito tempo, antes, quando eu estava e depois que eu saí. Eu estava lá e continuou até a deflagração, com interceptação, contra o ex-prefeito de Sinop, Juarez Costa. Este mesmo modus operandi, de pegar decisão alheia a investigação e inserir dados, ela é demonstrada classicamente nesta investigação”, disse em depoimento na última quarta-feira (17).

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet