Olhar Jurídico

Quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Notícias / Civil

MPE aciona prefeitura pedindo adequações de acessibilidade na Orla e no Parque das Águas

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Jul 2019 - 11:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPE aciona prefeitura pedindo adequações de acessibilidade na Orla e no Parque das Águas
O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) processou a prefeitura de Cuiabá para que haja adequações de acessibilidade na Orla do Porto e no Parque das Águas. O órgão sugeriu prazo de 90 dias para adoção de diversas medidas.

Leia também
Magistrados irão fazer reivindicações ao Senado para que reforma da Previdência seja alterada

 
Conforme ação proposta pelo promotor de Justiça Alexandre de Matos Guedes no dia 8 de julho, o MPE investigava a situação dos locais por meio de inquérito civil. Perícias constataram os problemas.

Na Orla do Porto, por exemplo, constatou-se a falta de sinalizações verticais e horizontais, falta de rampas de acessibilidades e faixas elevadas de pedestres.
 
“Demais disso, existem tampões expostos no meio do calçadão em desacordo com a NBR 9050 e fiação elétrica exposta sem proteção, o que pode ocasionar quedas e choques. Efetuaram a retirada de árvore, porém, deixaram o tronco no meio da ciclovia, entulhos de obras atrapalhando a circulação, cerâmicas quebradas, alagamentos em alguns pontos da ciclovia, devido a falta de drenagem adequada de águas pluviais, banheiros (PNE) utilizados com depósito de material de limpeza, além de não conter barra de apoio na porta de acesso, lavatório e as barras do vaso sanitário, ou seja, totalmente fora dos padrões”, afirma trecho do processo.
 
Perícia realizada no Parque das Águas também constatou diversas irregularidades de acessibilidade, “como calçadas sem rampas e rebaixamento para locomoção de cadeirantes, locais sem pisos táteis, sinalizações verticais e horizontais”.
 
Segundo o Ministério Público, após notificação preliminar, apenas foi construída faixa elevada na Orla do Porto, todavia, todas as demais irregularidades persistem, inclusive no Parque das Águas.
 
O Ministério Público pede judicialmente, na Orla do Porto: promoção e correção das irregularidades nos estacionamentos prioritários; construção de faixa elevada de travessia de pedestre; adequação dos tampões (tampas de caixas de inspeção e de visita); reparação da ciclovia; reposição das cerâmicas arrancadas; projeto de drenagem de águas pluviais na ciclovia; adequação dos banheiros masculino e feminino; corrimão e guarda-corpos na rampa do complexo dos banheiros;pisos táteis direcionais e de alertas nos calçadões.
 
No Parque das Águas: instalação de pisos táteis direcionais e de alertas, sinalizações verticais e horizontais e rampas de acessibilidade tanto na parte interna quanto no entorno do Parque; s rampas de acessibilidade que foram executadas erroneamente; corrimão e guarda-corpos na rampa do complexo dos banheiros; faixa elevada para travessia de pedestre na Avenida Hermina Torquatro, de modo que ocorra acesso dos pedestres até o Parque; adequar as calçadas sem pavimento que dificultam a acessibilidade e instalar rampas; adequar os tampões (tampas de caixas de inspeção e de visita); adaptar as inconsistências detectadas no acesso ao parque pela Avenida Doutor Hélio Ribeiro.
 
Orla do Porto II
 
A Vara Especializada do Meio Ambiente de Cuiabá deferiu liminar no começo de julho para que “se impeça o início ou para que se suspenda a realização da segunda etapa das obras de ampliação da Orla do Rio Cuiabá, no trecho compreendido entre o término da Avenida XV de Novembro/Ponte Júlio Muller e a estrutura do antigo Cais do Porto”, sob pena de multa de R$ 20 mil por dia.
 
Conforme requerimento do Ministério Publico, a suspensão deve valer até que o Município dê início à execução das medidas compensatórias e mitigadoras estabelecidas na primeira fase da obra; conclua o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) e Relatório de Impacto de Vizinhança (RIV), inclusive levando-se em conta os impactos da continuidade das obras na segunda etapa; e promova as adequações necessárias no licenciamento ambiental para que as medidas mitigadoras e compensatórias fixadas guardem correlação com as adotadas na fase anterior dos trabalhos.
 
O prefeitura de Cuiabá se manifestou por meio de nota afirmando que os problemas detectados foram gerados antes da gestão do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).
 
O próprio Emanuel Pinheiro se manifestou. “Estou angustiado com isso, até pedi uma audiência com o procurador-geral para nós agilizarmos isso. Foi um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da gestão passada não cumprido. Sei que a continuidade da gestão é uma máxima de qualquer gestão pública, mas foi um TAC não cumprido e em virtude disso se paralisou uma obra em plena execução. O judiciário não está errado e nós estamos correndo para reverter a situação em poucos dias”.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • João Ricardo
    11 Jul 2019 às 20:04

    por falar em parque das águas... estive lá durante essa semana pra mostrar pra alguns colegas de trabalho que não são do MT e passei vergonha novamente, vi várias reportagens informando que o problema do esgoto estava resolvido e na prática não e bem assim. está uma fedentina insuportável e ainda há esgoto sendo despejado na lagoa, isso é visível a todos que passam naquela localidade, ainda é possível constatar dejetos sendo despejados

  • jose a silva
    11 Jul 2019 às 18:03

    Essa turma do MPE de MT não faz o que deveria fazer preferencialmente e fica se intrometendo e atrapalhando a vida de quem faz algo! Cambada de parasitas, sugadores do estado!

Sitevip Internet