Olhar Jurídico

Sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Delator pretende revelar fraude de R$ 12 milhões em empréstimos para empresa de consultoria

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Jun 2019 - 15:44

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Delator pretende revelar fraude de R$ 12 milhões em empréstimos para empresa de consultoria
Delator premiado na Operação Ararath, o ex-gerente do Bic Banco em Mato Grosso, Luis Carlos Cuzziol, será reinterrogado em ação por gestão fraudulenta de instituição financeira. A audiência na quarta-feira (12) terá o comando do juiz Jeferson Schneider, titular da 5ª Vara Federal. De acordo com a denúncia, as provas apontam inúmeras operações ilícitas de empréstimos bancários totalizando aproximadamente R$ 12 milhões.

Leia também 
Juiz suspende alegações finais e marca novo interrogatório para ouvir colaborador

 
Os empréstimos eram concedidos à pessoa jurídica Ortolan Assessoria e Negócios Ltda e tinham como garantia créditos fictícios que a empresa possuía junto ao governo do estado de Mato Grosso, por meio de simulação de prestação de serviços na área de consultoria e assessoria em gestão governamental.
 
Segundo o Ministério Público Federal, a garantia do crédito junto ao governo do estado foi dada por meio de ofício expedido, sem autuação, pelo então secretário de Fazenda de Mato Grosso, Eder Moraes Dias (também acionado).
 
Conforme acusação, ficou comprovada a inexistência de contrato ou processo de aquisição com a Ortolan Assessoria e Negócios.

Relatório produzido pela Controladoria Geral também apontou que a empresa não estava cadastrada como credora e, portanto, não existia ordem bancária de pagamento.
 
Como parte da colaboração premiada, Cuzziol está impedido de mentir e deve renunciar ao direito de se manter em silêncio. A solicitação de reinterrogatório partiu do próprio delator. O processo já estava na fase de alegações finais.

A expectativa é que novos nomes de pessoas envolvidas no caso sejam revelados. 
 
Eder e Cuzziol

 
Segundo o Ministério Público, a ligação entre os acusados é antiga e decorrente de terem trabalho em conjunto no Bic Banco. Eder era superintendente de agência em Cuiabá, enquanto Luis Carlos Cuzziol era gerente de contas.
 
Com a saída de Éder, a diretoria do banco convidou Cuzziol para assumir a função de superintendente, cargo ocupado durante 2007.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • maykom
    11 Jun 2019 às 17:56

    agora é facil jogar a culpa na pessoa jurídica Ortolan Assessoria e Negócios Ltda o dono morreu .

Sitevip Internet