Olhar Jurídico

Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Notícias / Civil

Ministério Público instaura inquérito para apurar aluguel de imóvel da Sec 300

Da Redação - Érika Oliveira

25 Mai 2019 - 09:24

Ministério Público instaura inquérito para apurar aluguel de imóvel da Sec 300
O promotor Roberto Turin, da 13ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa de Cuiabá, decidiu instaurar inquérito civil para apurar supostas irregularidades na locação do imóvel que iria abrigar a Secretaria dos 300 anos da Capital, mas que acabou inutilizado pela Prefeitura. O contrato do espaço já foi rescindido, por determinação do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).

Leia mais:
- Promotor apura se Prefeitura alugou por R$ 72 mil imóvel que não foi utilizado
- TCE inspeciona imóveis locados pela Sec 300 e analisa supostas irregularidades apontadas por vereadores


O caso chegou ao conhecimento do Ministério Público em março, através de uma Notícia de Fato que chegou por meio da Ouvidoria do órgão, após ampla divulgação sobre o caso pela imprensa. O imóvel em questão fica localizado na Avenida Getúlio Vargas, no local onde funcionava o antigo Restaurante Adriano. R$ 72 mil foram pagos pela locação do espaço.

O contrato de locação do imóvel, fixado em R$ 108 mil, foi iniciado em abril de 2018 e tinha duração de 12 meses. Este ano, após a repercussão do caso, o prefeito Emanuel Pinheiro ordenou que o contrato fosse imediatamente rescindido. Além disso, uma Tomada de Contas foi instaurada para apurar possíveis irregularidades.

Responsável pela Sec 300 quando o contrato foi assinado, o então secretário de Comunicação de Cuiabá, Junior Leite, pediu afastamento do cargo na mesma época e, posteriormente, foi exonerado pelo prefeito. Na época, conforme a Controladoria do Município, não foi identificada “negligência” por parte da Prefeitura, mas sim “falha de planejamento” por parte dos titulares da pasta.
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Itamar
    25 Mai 2019 às 17:58

    Não dá nada vira tudo em pizza café os vereadores que são todos negligente pelo dinheiro do cidadão Cuiabá no

  • Raimundo
    25 Mai 2019 às 10:10

    Da nada não, paletó manda no MP.

Sitevip Internet