Olhar Jurídico

Segunda-feira, 27 de maio de 2019

Notícias / Consumidor

Comper é condenado a indenizar em R$ 15 mil cliente que foi acusado de receber troco duas vezes

Da Redação - José Lucas Salvani

15 Mai 2019 - 09:10

Foto: TJMT

Comper é condenado a indenizar em R$ 15 mil cliente que foi acusado de receber troco duas vezes
O Supermercado Comper foi condenado pelo juiz Yale Sabo Mendes a pagar a quantia de R$ 15 mil, a título de danos morais, para Luiz Carlos da Silva, que foi acusado por funcionários de receber duas vezes o troco no valor de R$ R$ 13,75. Luiz foi abordado no estacionamento do estabelecimento por um segurança.

Leia mais:
TJ condena Comper em R$ 142 mil e supermercados poderão ser interditados

“A confessada 'dúvida' sobre a duplicidade no troco recebido pelo requerente gerada levianamente por uma de suas prepostas foi posteriormente confirmada não ter de fato acontecido, ou seja, o troco foi corretamente entregue ao Requerente uma única vez, circunstância que por si já demonstra o despreparo e o excesso no trato da questão, pois, ao meu sentir, a abordagem de um cliente que já se encontra no estacionamento do supermercado por conta de R$ 13,75 (treze reais e setenta e cinco centavos) é de todo desproporcional”, aponta o juiz na sentença.

Segundo a acusação, Luiz foi abordado no estacionamento no Comper, sendo acusado de ter recebido o troco em dinheiro do caixa duas vezes. Luiz afirma que foi vítima de situação vexatória, tendo sua “honra maculada”. Em razão do acontecimento, a acusação pediu a quantia de R$ 31.520 por danos morais.

Em defesa, o Comper alega que a abordagem aconteceu de forma diferente, não tendo acusado o cliente de qualquer atitude dolosa. Na sua versão, foi o próprio cliente quem teria agido de forma alterada, agredindo verbalmente seus funcionários.

O juiz Yale Sabo Mendes, em contrapartida, entendeu que mesmo que a abordagem por parte do supermercado tenha sido cordial, o constrangimento gerado no cliente é resultante da suspeita. Ele ainda aponta que o Código de Consumidor deixa claro que o prestador de serviço é responsável independente do grau de culpa.

“A par de tais considerações, patente a ocorrência de abordagem indevida que extrapolou os limites da proporcionalidade e razoabilidade, ultrapassando a normalidade, e rendendo ensejo a reparação por danos morais causados à parte Requerente, sobretudo pela acusação de recebimento de um dinheiro erroneamente, feita diante das pessoas que por ali transitavam naquele momento, causando apreensão, dissabor e humilhação”.

Sendo assim, o juiz Yale Sabo Mende condenou o Comper a indenizar Luiz Carlos no valor de R$ 15 mil por danos morais, ficando ainda as custas processuais e honorários advocatícios em 20% do valor da condenação.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • DESEMPREGADO
    16 Mai 2019 às 09:32

    ACHEI O VALOR DA INDENIZAÇÃO MUITO ALTO ESSES JUÍZES NÃO TEM NOÇÃO ELES GANHAM MUITO DINHEIRO ACHAM QUE AS EMPRESAS NÃO TEM OUTROS COMPROMISSOS

  • Chacal
    16 Mai 2019 às 03:48

    Tenho acompanhado as decisões do nobre magistrado, considero um certo exagero nos valores estipulados.

  • Ex cliente indignada
    15 Mai 2019 às 19:25

    Eu também estou processando esse mercado. Fizeram uma promoção de ganhos de facas de cozinha conforme as compras e essas facas nunca foram entregues. Fiz compras feito louca para nada. Enfim, propaganda enganosa, danos morais e materiais.

  • Ricardo
    15 Mai 2019 às 14:14

    Aí sobre para turma recursal e os excelentíssimo de reformam a decisão. Nossa turma recursal é uma lástima.

  • Sil
    15 Mai 2019 às 10:53

    Deveriam enquadra-los tambem por propaganda enganosa, na prateleira ta um preço, quando chega no caixa esta outro.

  • T M P
    15 Mai 2019 às 10:18

    Mas antes tivesse deixado o moço com os "dois trocos", o que ele não recebeu.

  • Josué Santana
    15 Mai 2019 às 09:39

    Cabe recurso pois foi mero aborrecimento...

Sitevip Internet