Olhar Jurídico

Segunda-feira, 27 de maio de 2019

Notícias / Criminal

Juiz acata pedidos e militares envolvidos na 'Grampolândia' serão ouvidos novamente

Da Redação - Patrícia Neves

13 Mar 2019 - 18:30

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

Juiz acata pedidos e militares envolvidos na 'Grampolândia' serão ouvidos novamente
O juiz da 11ª Vara Militar de Cuiabá, Marcos Faleiros, acatou pedido de reinterrogatório do coronel da Polícia Militar, Evandro Alexandre Ferraz Lesco e do cabo Gerson Corrêa, no processo que apura um esquema de interceptações telefônicas ilegais operacionalizados durante a gestão de Pedro Taques (PSDB). Com a decisão, o julgamento da ação penal, que havia sido agendado para a penúltima semana de março, será realizado nos dias 14, 15 e 16 de agosto, às 13h30.

Leia Mais:
Lesco afirma que há fatos não elucidados na Grampolândia; promotor quer reinterrogatório
 
O magistrado agendou para os dias 16 e 17 de julho, a partir das 13h30, Fórum da Capital, a oitiva dos militares. Após os pedidos, o promotor Allan do Ó, que atua frente à Vara Militar  emitiu parecer favorável ao deferimento das novas oitivas.
 
Em suas considerações, o magistrado asseverou que adotou a medida considerando “possibilidade de durante a realização de novo interrogatório serem trazidos elementos que possam trazer benefícios aos acusados, a exemplo de atenuantes e até mesmo a possibilidade de reconhecimento de delação unilateral e possível concessão de perdão judicial”, disse em trecho de decisão o magistrado.
 
O Esquema:

Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crimes.
 
Segundo a denúncia do MPE, foi Gerson quem fez à Justiça os pedidos de autorização para interceptação de números de telefones de políticos, advogados e jornalistas, grampeados no esquema.  A prática de gravação telefônica clandestina, de pessoas que não são acusadas de crime, é conhecida como “barriga de aluguel”.

Acusado de ser o operador do esquema, o cabo Gerson, também ficou encarcerado por nove meses. Em  um de seus depoimentos à Justiça, Gerson admitiu que atuou na inserção de números de telefones de pessoas que não eram alvos de investigações .

Segundo a denúncia, as interceptações clandestinas teriam ocorrido entre outubro de 2014 e agosto de 2015 e tiveram entre os alvos o desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) José Ferreira Leite, a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), e o vereador Vinícius Hugueney (PP), que atualmente comanda a Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Econômico de Cuiabá.
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Joao
    13 Mar 2019 às 23:34

    Vai dar nada não!! Vai sobrar so para o cabo!!!!

Sitevip Internet