Olhar Jurídico

Sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Notícias / Trabalhista

Caixa de supermercado demitida por deixar cliente sair sem pagar é multada em R$ 1 mil

Da Redação - Lázaro Thor Borges

28 Ago 2017 - 14:40

Foto: Reinaldo Ortigara, advogado que representou o supermercado.

Caixa de supermercado demitida por deixar cliente sair sem pagar é multada em R$ 1 mil
A ex-funcionária do Supermercado Pasqualotto, em Juína, que foi flagrada deixando um dos clientes do estabelecimento sair sem pagar foi multada em R$ 1 mil pela Justiça do Trabalho. O fato ocorreu em 17 de março deste ano e a funcionária K.C.C. foi demitida por conta do ocorrido.

Leia mais:
TRT-MT nega indenização a garçom de bar em VG atropelado por moto ao ir para serviço


A ex-caixa entrou logo em seguida com uma ação trabalhista contra o empreendimento, pleiteando a conversão da demissão em dispensa imotivada, ou seja, sem justa causa. Na ação ela também reivindicava o pagamento das verbas rescisórias decorrentes, compensação por dano moral, devolução dos descontos indevidos efetuados no ato da rescisão, horas extras, entre outras coisas. Ao todo, o valor solicitado ficaria em torno de R$ 80 mil.

"Quando estudamos o caso, verificamos que os pedidos dela eram não só improcedentes, mas eivados de má-fé, e decidimos pleitear a condenação da ex-funcionária por isso", explicou o advogado Reinaldo Ortigara.

K.C.C. teria chamado a chefe do seu setor para pedir o cancelamento da compra de um cliente que havia desistido de levar o produto já registrado no caixa. No entanto, ao final do expediente foi constatado que o produto não tinha sido devolvido para o estoque, e o valor correspondente ao produto não estava no caixa.

A funcionária foi então acusada pela gerente de ter deixado o cliente levar o produto sem pagar, o que caracterizaria ato de improbidade, causando sua demissão por justa causa. Ela, por sua vez, afirmou que no dia do ocorrido, havia uma grande movimentação no supermercado com muitas pessoas esperando na fila e, no momento no qual o cancelamento da compra foi solicitado, devido ao tumulto ela não percebeu se o produto havia sido devolvido para o estoque.

"A versão de K.C.C. foi totalmente desmentida pelas imagens de segurança da empresa", disse Ortigara.

As imagens mostraram que no dia da dispensa havia pouca movimentação no supermercado e que a venda foi de fato realizada e o produto levado pelo cliente. Também foi constatado que a funcionária escondeu o cupom fiscal embaixo do teclado e que cerca de 10 minutos depois da compra realizada, ela solicitou o cancelamento da transação.

Decisão

No entendimento da juíza que analisou o caso, independente do fato de a funcionária ter consumado o furto, o embuste criado por ela para justificar o acontecido já seria suficiente para a demissão por justa causa, pois houve a intenção de causar prejuízo ao supermercado.

Sendo assim, tudo o que foi reivindicado pela ex-funcionária na ação foi indeferido pela magistrada. Em relação às horas extras, depois da análise dos cartões de ponto e dos recibos de pagamento dos salários, foi constatado que tudo foi pago corretamente.

A funcionária, por sua vez, além de ter fracassado na sua tentativa de lucrar com a ação, ainda foi condenada a pagar uma multa de 2% sobre o valor atribuído à causa, correspondente ao total de R$ 1.604,33, por litigância de má-fé. O valor da multa será destinado à Instituição Pestaloze de Juína, a qual presta assistência a crianças com deficiência.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Su
    29 Ago 2017 às 20:21

    Kkkk tá com cara Com certeza essa caixa devia algum valor para essa cliente e ela foi lá pra receber a dívida,e a bunita quis se dar bem...espertinha ela.

  • Alex
    29 Ago 2017 às 00:13

    Ao que me parece o cliente não teve nada a ver com o fato. Fez sua compra e pagou normalmente, a atendente pediu para estornar a venda dez minutos depois e ficou com o dinheiro da venda.

  • WILLIAN COSTA
    28 Ago 2017 às 17:40

    Corrupção e desonestidade em todos os cantos desse país!

  • PASTOR JIM JONES
    28 Ago 2017 às 16:05

    Infelizmente a desonestidade prevaleceu ... cliente desonesto... caixa também desonesta devido ao fato de usar de má fé...pena que nesse país a desonestidade é generalizada...salvo algumas exceções.

Sitevip Internet