Olhar Jurídico

Sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Notícias / Trabalhista

TRT-MT nega indenização a garçom de bar em VG atropelado por moto ao ir para serviço

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

22 Ago 2017 - 09:45

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

TRT-MT nega indenização a garçom de bar em VG atropelado por moto ao ir para serviço
A Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT-MT) deu causa ganha a uma empresa que foi processada por um trabalhador atropelado durante seu trajeto para o serviço. Mesmo com o braço quebrado e engessado, a justiça entendeu que a vítima não conseguiu comprovar o acidente.

Leia mais:
Servidores do TJ também serão alvo de investigação do CNJ para detectar "supersalários"

 
Conforme os autos, o trabalhador, um garçom de restaurante, se deslocava de bicicleta ao bairro Construmat, em Várzea Grande, onde se localiza o comércio. Há duas horas do início de seu turno, foi atropelado por uma motocicleta, quebrando seu braço.

O garçom buscou a Justiça do Trabalho para cobrar uma indenização por acidente de trajeto ou, como também é conhecido, acidente de percurso, instituto jurídico criado para proteger o trabalhador e possíveis acidentes no caminho até o local de trabalho.

A empresa argumentou que o trabalhador não informou o trajeto e o acidente poderia ter acontecido em outro percurso, e até mesmo faltariam provas de que o acidente de fato tenha ocorrido. O gerente do bar afirmou em seu depoimento que os garçons trabalham em turnos, chegando a partir das 17h30. Por isso, não é possível considerar que ele já estivesse a caminho do trabalho às 15h. O gerente afirmou ainda que na noite anterior o garçom e demais colegas haviam saído para beber e que poderia ter quebrado o braço naquela ocasião. Além disso, nenhuma das testemunhas ouvidas no processo presenciaram o acidente.

Por causa das inconsistências, a 2ª Turma do TRT/MT reformou a sentença e considerou que o trabalhador não conseguiu provar que sofreu acidente de trajeto quando se dirigia ao emprego.  Segundo o relator, desembargador Osmair Couto, para percorrer a distância de 5 km entre sua casa, no bairro Construmat e o trabalho, no bairro Verdão, gastaria cerca de 20 minutos, conforme informações do aplicativo Google Maps.

O relator considerou que ocorreu um acidente de trânsito comum e não um acidente de trajeto.  “Não é verossímil que o Autor, devendo iniciar o labor somente às 17h, já estivesse a caminho do trabalho às 15h. Concluindo: não considero que o acidente relatado na inicial se enquadre no conceito de acidente de percurso ou trajeto”, avaliou o relator do processo, desembargador Osmair Couto.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet