Olhar Jurídico

Sábado, 21 de maio de 2022

Notícias | Empresarial

DÍVIDA DE R$ 100 MILHÕES

Juiz acata recuperação, determina blindagem e suspende ações de cobrança contra grupo da Bimetal

Foto: Reprodução

Juiz acata recuperação, determina blindagem e suspende ações de cobrança contra grupo da Bimetal
O magistrado Flávio Miráglia, da Primeira Vara Cível de Cuiabá, deferiu, nesta segunda-feira (05), o pedido de recuperação rogado pelo Grupo Bipar, do qual faz parte a Bimetal Indústria Metalúrgica Ltda e outras três empresas, endividado em cerca de R$ 100 milhões. Na decisão, forma determinadas blindagem e suspensão das ações de cobrança contra grupo. O plano para retomada econômica deve ser apresentado em 60 dias.

Leia mais:
Com dívida de R$ 100 milhões, grupo da Bimetal ingressa com pedido de recuperação judicial


“Defiro o processamento da recuperação judicial das empresas Bipar Energia S/A pessoa jurídica de direito privado[...]; Bipar Investimentos & Participações S/A pessoa jurídica de direito privado [...]; Mavi Engenharia & Construções Ltda, pessoa jurídica de direito privado[...] E Bimetal Indústria Metalúrgica Ltda., pessoa jurídica de direito privado[...], determinando que as recuperandas [...] apresentem no prazo improrrogável de 60 (sessenta) dias, o plano de recuperação, sob pena de convolação em falência”.

Conforme o pedido, a intenção é preservar os postos de empregos diretos e saldar uma dívida de cerca R$ 100 milhões com fornecedores, bancos e outros, além de seguir com a execução de mais de R$ 200 milhões em contratos. Uma das causas da crise seria a exposição política do fundador do grupo, o atual prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, especialmente depois da sua inclusão na investigação denominada Ararath.

Segundo os autos, o advogado Mauro José Pereira indicado como administrador judicial do caso. Os credores têm o prazo de quinze dias para apresentarem as suas habilitações diretamente perante o Administrador Judicial ou as suas divergências quanto aos créditos relacionados pelo grupo Bipar.

Ainda, os credores terão o prazo de trinta dias para manifestarem a sua objeção ao plano de recuperação da devedora.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet