Olhar Jurídico

Sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Notícias / Criminal

Agente é demitido e condenado após se apropriar de R$ 100 de detentos encontrados durante revista

Da Redação - Vinicius Mendes

10 Jan 2019 - 11:12

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Agente é demitido e condenado após se apropriar de R$ 100 de detentos encontrados durante revista
Por conta de R$ 100 subtraídos de dois detentos, durante uma revista na cadeia de Campo Novo do Parecis (396km a nordeste de Cuiabá), um agente penitenciário perdeu o cargo e foi condenado pelo crime de peculato.

O caso aconteceu no ano de 2012, quando o servidor público, pegou a quantia de duas pessoas que ingressaram no sistema durante uma revista. Além de perder o emprego, o agente foi condenado a dois anos de prisão (em regime aberto), ao pagamento de 10 dias-multa e prestação de serviços à comunidade.

Leia mais:
Agente penitenciário é preso suspeito de lavar dinheiro para facção que movimentou R$ 50 milhões
 
O desembargador e relator do caso, Rondon Bassil Dower Filho, argumentou que peculato configura-se quando o servidor público altera o destino da coisa pública ou particular, em razão do cargo que ocupa, empregando-a em fins que não o próprio.
 
"Assim, se comprovada está a condição de servidor público, e restando provado, como se viu, que devido a sua condição de Agente Penitenciário, se apoderou ilegalmente de quantia em dinheiro dos detentos, que deveriam estar sob a guarda do Estado", pontuou o magistrado em seu voto.
 
Conforme a narrativa do processo, no dia 09/10/2012 dois homens foram presos e encaminhados para a cadeia pública de Campo Novo do Parecis. Ambos passaram pela revista de rotina. Os presos traziam consigo a quantia de R$ 50 e os valores foram confiscados pelo agente, que estava sozinho no momento da revista.
 
Ao procurar o setor administrativo da cadeia, as vítimas descobriram que o dinheiro não havia sido repassado. Ainda conforme os autos, uma das vítimas resolveu procurar o agente, que chegou ameaça-lo dizendo: "que se ouvisse essa conversa novamente, iria dar pra cabeça". Por conta disso, o detento foi à direção da cadeia e solicitou que fosse registrado um Boletim de Ocorrência.
 
O agente foi condenado em primeira instância e recorreu ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que manteve a condenação.
 
"De notar que agiu com total acerto a Julgadora, pois, em que pese o fato de o valor subtraído ser de pequena monta (R$ 100), trata-se de caso sui generis, pois a gravidade da conduta reside na natureza do cargo, qual seja, Agente Penitenciário, ou seja, aquele que com mais zelo deveria primar pelo cumprimento de normas por parte dos detentos, e não aproveitar-se de sua função para subtrair-lhes valores ou bens", ponderou o relator no seu voto.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Joao Mensageiro
    10 Jan 2019 às 13:39

    Tá aí, o que uma pessoa dessa tem na cabeça? merda? Quer ser esperto camarada? Perdeu o emprego concursado por causa de 100 conto kkkkk, se fosse honesto nao teria passado por isso.

  • Maria Heloisa
    10 Jan 2019 às 13:25

    Tá certo!! Como dizia o meu pai: não existe roubo pequeno e roubo grande. Tudo é roubo.

  • Sampaio
    10 Jan 2019 às 13:03

    ACREDITAR EM DOIS BANDIDOS OU CRIMINOSO É MAS CORRETO E HONESTO , PARABÉNS AO MAGISTRADO QUE AGIU NA LEI , QUE PROTEGE BANDIDOS , VALE A PENA SER BANDIDO QUE NÃO MENTE , NÃO ROUBA , NÃO TRAFICA , NÃO ESTRUPA , NÃO COMETE ESTELIONATO É UM SANTO NÉ... SR JULGADOR...

Sitevip Internet