Olhar Jurídico

Domingo, 09 de dezembro de 2018

Notícias / Eleitoral

TSE julga recurso contra impugnação de Fabris que busca validar 22 mil votos

Da Redação - Vinicius Mendes

04 Dez 2018 - 14:41

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

TSE julga recurso contra impugnação de Fabris que busca validar 22 mil votos
O recurso contra impugnação da candidatura do deputado Gilmar Fabris, que busca descongelar seus votos recebidos nas eleições de 2018, deve ser julgado nesta quarta-feira (5) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O recurso está na pauta da Sessão Plenária Virtual e caso não seja negado Fabris poderá ser diplomado em 2019.
 
Leia mais:
STJ reconhece prescrição de crime e Fabris recorre para validar votos e retornar à AL
 
O recurso ordinário de Fabris é o item 3 da pauta de amanhã e tem como relator o ministro Admar Gonzaga. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) havia concedido medida liminar ao deputado Gilmar Fabris (PSD), reconhecendo a prescrição da pena aplicada a ele pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), pelo crime de peculato.

A defesa do deputado então usou esta decisão favorável para recorrer na Justiça Eleitoral buscando garantir a elegibilidade e a validação dos votos recebidos na eleição deste ano. Fabris obteve 22.913 votos, que estão suspensos.

Caso reverta a decisão desfavorável, será considerado reeleito e deixará o deputado estadual Allan Kardec (PDT) na primeira suplência da legenda. O pedetista teve 18.629 votos.
 
O indeferimento
 
O pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) indeferiu na noite do dia 2 de outubro o registro de candidatura do candidato a deputado estadual Gilmar Fabris com quatro votos contrários e outros três favoráveis.
 
O relator do pedido do registro de candidatura, juiz Ricardo Almeida, rejeitou a tese da Procuradoria Eleitoral de que o parlamentar estaria impedido de ser candidato com base na lei da ficha limpa, em razão de uma condenação imposta pelo Tribunal de Justiça a 6 anos e 8 meses de reclusão pela suspeita do crime de peculato. Mas pela maioria o registro foi indeferido.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Chico Bento
    05 Dez 2018 às 08:20

    Se o recurso for acatado e ele diplomado, a culpa é dos mais de 22.000 eleitores que votaram nele! Essa é a verdade.

  • A N D E R S O N 17
    05 Dez 2018 às 06:44

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • eleitor
    05 Dez 2018 às 03:37

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Gunther Reuter
    04 Dez 2018 às 23:00

    Ministros do Tribunal Superior eleitoral salvem Mato Grosso !!!

  • Gilmar
    04 Dez 2018 às 21:57

    Não sei pra que perder tempo e dinheiro julgando quem já foi condenado. Fora outros possessos em andamento.

  • joao
    04 Dez 2018 às 18:39

    Os pedidos vão ser indeferidos, daqui mais alguns dias vamos chamá-lo de ex-deputado!!!

  • Juracy Ady
    04 Dez 2018 às 16:19

    Xau, querido

  • Zeca
    04 Dez 2018 às 15:38

    Se houver seriedade, este cidadão não pode e nem deve ser diplomado.

Sitevip Internet