Olhar Jurídico

Domingo, 09 de dezembro de 2018

Notícias / Civil

Proprietário da Central da Moda diz que Mandado de Penhora e Remoção estava errado

Da Redação - Vinicius Mendes

01 Dez 2018 - 09:03

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Proprietário da Central da Moda diz que Mandado de Penhora e Remoção estava errado
O representante do Grupo Central da Moda, Júlio Cesar Pereira, afirmou que o Mandado de Penhora e Remoção e o seu cumprimento, no último dia 23 de outubro, estavam errados. Segundo ele, na petição o titular da dívida estava com o endereço errado e seus produtos não foram retirados da maneira como deveria. O grupo está em processo de Recuperação Judicial por dívidas giram em torno de R$ 1 milhão.
 
Leia mais:
Juíza determina que roupas confiscadas da Central da Moda sejam localizadas; "fomos vandalizados", diz representante
 
No último dia 23 de outubro foi efetuado arresto de bens da Central da Moda por débito no valor de R$ 266.754, em cumprimento ao Mandado de Penhora e Remoção, oriundo de Ação de Execução movida contra o grupo pela empresa Zuah Textil Ltda-ME. Por causa disso grande parte da mercadoria foi levada, resultando no fechamento das portas, causando sérios prejuízos ao prosseguimento da recuperação judicial.

“Fomos pegos totalmente de surpresa. Abrimos a loja, como já é de costume, às 8h, para poder realizar um trabalho nosso, com a nossa equipe, com os colaboradores, e fomos surpreendidos por três oficiais de Justiça, que entraram dentro da nossa empresa, um despreparo muito grande, sabendo do feito incorreto e irreal, porque a empresa está blindada por uma recuperação judicial”, disse Júlio Cesar Pereira.

Júlio Cesar disse que tentaram entrar em contato com o administrador judicial do seu processo de Recuperação Judicial, mas ele não teria comparecido. Ele avalia que cerca de 90% do seu estoque foi levado naquele dia.

“[Foi] muito bem organizada, que eu até não chamaria isso de penhora, eu trato isso como uma operação, realizado com vários feitos errados, que nos prejudicou, nos proporcionando hoje um prejuízo gigantesco”, desabafou o empresário.

O representante do grupo ainda disse que a petição judicial estava errada, pois apontava endereço errado da titular da dívida.

“O bem da verdade, o advogado da ordem, pegou o CNPJ de uma empresa, cito, com sede estabelecida no CPA, realizou uma petição judicial, colocando uma razão social de uma empresa com sede na Avenida São Sebastião, montou isso e peticionou. Na minha opinião ele induziu a juíza ao erro, no qual não tivemos oportunidade de defesa”.

Ele também afirmou que a maneira como os seus produtos foram retirados não foi como deveria ter sido feito. “A penhora é realizada de uma forma, o mandado, ele tem que ser cumprido, separado o produto, relacionado, contado e assinado pela credora e por nós como devedores. Este feito foi burlado. Pegaram o nosso produto, jogaram dentro de um caminhão de qualquer forma”.

Segundo Júlio, a própria titular da dívida teria apontado o erro, mas acabou sendo levada à delegacia. “A titular da dívida, que a empresa é no CPA, compareceu até a nossa empresa explicando que aquele não era o endereço, que o problema era lá no CPA. Acabou acontecendo o que? Foram à delegacia, para prestar depoimento, no qual acabou ficando detida, passou uma noite detida. Tem dois filhos, foi sair no outro dia após a audiência de custódia, isso 21h”.

O empresário ainda disse que o que aconteceu é “irreparável ao nome Central da Moda”, mas garantiu que a empresa é idônea e tem experiência de mercado, por isso acredita na viabilidade da Central da Moda e que ela deve se reerguer.

“Fomos vítimas de um erro que foi induzido à magistrada da 11ª Vara, a realizar esta situação, mas hoje já estamos cobertos pela Justiça, pelo TJ, que nos proporcionou a tutela, colocando na 1ª Vara, de concordatas em Recuperação Judicial, no qual está sendo hoje analisada a nossa possibilidade de recuperarmos este estoque. Tanto é que, dentro de uma relação que os oficiais entregaram, fizeram uma coisa que não existe, eu tenho fotos da loja cinco minutos antes e oito horas depois, fizeram um vandalismo dentro da minha empresa, no qual eu vou buscar os meus direitos. Não quero dinheiro, eu quero Justiça, eu só quero que a Central da Moda volta ao mercado, eu quero trabalhar”.
 
 

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • bill bagaçeira
    03 Dez 2018 às 12:31

    quero saber quando vai abrir novamente, preciso comprar calças para trabalhar, pois o preço é muito bom!

  • fernanda
    03 Dez 2018 às 11:53

    Absurdoooo! Deus abençoe vocês.

  • Miguel
    03 Dez 2018 às 09:33

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • AVANÇA LOGO MT
    03 Dez 2018 às 08:37

    ESSE JUDICIÁRIO TEM UM DÍVIDA IMPAGÁVEL COM A SOCIEDADE, NOS CUSTA BILHÕES E OS PROCESSOS ESTÃO MOFANDO POR FALTA DE GENTE PARA ATENDER PAGAM DEMAIS A POUCOS E FALTA ATENDIMENTO ,É OBSCURO POIS AS PARTES NÃO TEM ACESSO AMPLO AOS PROCESSOS, FICA A MERCÊ DE ADVOGADOS QUE AS VEZES RECEBEM E SOMEM É TOTALMENTE INACESSÍVEL E CARO ,LENTO, UMA VERGONHA UMA INJUSTIÇA !!!1

  • Albino Pfeifer Neto
    02 Dez 2018 às 15:34

    Mais uma vez a Justiça. Mas isto vai mudar. A responsabilização de Juizes e Desembargadores tem que ser revista. E pra comecar acabar com aposentadoria compulsória. Uma vergonha pra uma Justiça Cara como a nossa!

  • Romualdo Soares Macedo
    01 Dez 2018 às 23:41

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Celso Malaquias de Souza
    01 Dez 2018 às 23:37

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Raimundo
    01 Dez 2018 às 17:42

    Tem que denunciar no CNJ se acha que houve manobra jurídica com o procedimento.

Sitevip Internet